Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

dear cinema

Críticas simples e curtas.

True Grit (2010)

por rita ralha, em 04.03.11

TRUE GRIT

Jeff Bridges e a miúda deslumbram nesta aventura.No entanto, o pensamento inevitável e constante é imaginar que, um dia de manhã, os Coen acordaram e disseram  'bora lá fazer uma coisa normal. Não é mau (nem por sombras), mas é diferente. E quando se gosta tanto do estranho e aparece algo normal, o normal passa a saber a estranho.6/10

Somewhere (2010)

por rita ralha, em 24.02.11
Somewhere

Somewhere é a prova de que Sofia criou definitivamente o seu lugar: um cinema zen, em que tudo passa para este lado com pouco ou quase nenhum som e onde o casting deslumbra em histórias tendencialmente simples.

Desta vez, Sofia leva com mestria as sensações de plenitude visual e foco absoluto na personagem até ao limite, mostrando-nos uma luxosa, yet vazia vida de celebridade.

7/10

Black Swan (2010)

por rita ralha, em 17.02.11
IMG_7023.CR2

Black Swan é tudo aquilo que o trailer, as conversas, as críticas e historial de Aronofsky prometiam.

É negro e absorve TODA a atenção. É preenchido de dualidades constantes e inteligentes. É um confluir perfeito de emoção e horror. É o showcase perfeito do poder de actuação de Natalie Portman, que ascende e quase se supera quando se transforma no verdadeiro Cisne Negro.

9/10

You will meet a tall dark stranger (2010)

por rita ralha, em 17.02.11

YWMATDS

 

Um Woody Allen com uma veia agridoce mais intensa que o normal.

 

Um super cast, muitas crises e a sensação de ficarmos pendurados, lembrando que o fim súbito é muitas vezes o mais irritantemente provocador.

 

6/10

The Tourist (2010)

por rita ralha, em 08.02.11
The-Tourist-004

Dada a torrente de bad mouthing que por ainda andava, lá fui ver The Tourist.

Gostei dos outfits e de ver a cara de cera da Angie.

Looking back, não gostei da previsibilidade e simplicidade do enredo, mas confesso que até estive entretida.

Em resumo: as facadas do Gervais não eram de todo mal aplicadas (as nomeações para os Globos ficarão  eternamente incompreendidas) - mas também não era caso para taaanto enxovalhanço.

5/10

Little Fockers (2010)

por rita ralha, em 08.02.11

little-fockers-1024

O poster, praticamente, diz tudo.

Vamos pegar num tema quase gasto, overdoseá-lo de nomes sonantes e dar-lhe um título que pouco tem a ver com a história.

Triste desfecho para uma trilogia que used to be ok.

3/10

Stone (2010)

por rita ralha, em 11.01.11

stoneStone vale unicamente pela curiosidade de ver Edward Norton - que, na sua clássica versatilidade, faz umas trancinhas e fala à chunguita do Sul - dado que tudo o resto não espanta e pouco cativa.

Numa frase: disponível com o Correio da Manhã por mais €2,99, dentro de uns anos.

5/10

Harry Potter and the Deathly Hallows - Part 1 (2010)

por rita ralha, em 09.12.10

091

 

AVISO: a crítica que se segue está enviesada pela obsessão desmedida que a autora sente desde tenra idade pelo Harry Potter e todos os elementos que o rodeiam.

 

Envolta numa atmosfera deliciosamente negra e de tempos muito perturbados, é como se apresenta a 7 1/2 aventura de Harry, Hermione e Ron. A evolução das personagens e da história está reflectida neste filme de forma precisa e perfeita. Quem não acompanha a epopeia tão de perto, poderá sentir-se um pouco perdido, dada a variedade de acontecimentos/personagens/situações passadas, mas não deixará certamente de sentir o temor que pulsa fortemente durante todo o filme.

 

Numa frase: uma excelente adaptação e acutilante aguçador de curiosidade para o momento final.

 

10/10

The Social Network (2010)

por rita ralha, em 11.11.10

Um mundo onde programar é tão intuitivo como respirar, as mulheres são acessórios e estar in é o desejo mais íntimo da juventude Harvadiana é aquele que nos apresenta The Social Network.

Um filme que não é tanto sobre o Facebook, como o é sobre Mark Zuckerberg.

Ironicamente (ou não?), um rapaz com fraquíssimas social skills cria a rede social de maior sucesso do mundo, pisa todos para lá chegar, sempre de consciência surpreendentemente tranquila, e mesmo assim - voilá a mestria de Fincher/Sorkin - não o conseguimos odiar. Nem só um bocadinho. We kinda like him, actually.

Continuamente intenso e vivamente recomendado.

9/10

The Town (2010)

por rita ralha, em 05.11.10
19498176

The Town é intenso.

O argumento é inteligente e sólido, mas a estrela do filme é o seu elenco - muito forte e extremamente credível. Ben Affleck brilha em todos os sentidos nesta aventura e honra os thrillers policiais.

Numa frase: muito intenso, prende satisfatoriamente até ao fim.

8/10